Editorial: Não devemos branquear a falta de direitos humanos

por | nov 22, 2022 | featured2, Formação, Reflexões | 0 Comentários

Em 1848, Frederico Ozanam foi candidato a deputado nas eleições para a Assembleia Nacional Francesa, sob proposta de vários grupos de cidadãos. A fim de solicitar o voto de seus compatriotas, ele escreveu uma circular dirigida “aos eleitores do departamento do Rhône [onde ele se encontrava]” na qual dizia, entre outras coisas, que trabalharia pelos “direitos trabalhistas, […] associações de trabalhadores, […] obras de utilidade pública de iniciativa estatal, que podem oferecer hospitalidade aos trabalhadores que carecem de trabalho ou de recursos, e […] exigir medidas de justiça e de seguridade social para aliviar o sofrimento da população”. Frederico não foi eleito, mas este manifesto nos fala da preocupação e da iniciativa de um seguidor de Vicente de Paulo para aliviar, também através do compromisso político, as injustiças que os trabalhadores vivenciaram em seu tempo; ele não virou as costas para a questão social, ou seja, todos os problemas que foram gerados pela Revolução Industrial (em todos os níveis: político, intelectual, religioso…), especialmente o pauperismo e a falta de direitos da classe trabalhadora, dos obreiros.

A realidade dos trabalhadores na França de meados do século XIX

Em 1840, o economista Louis-René Villermé fez um estudo no qual ele pinta um retrato assustador da realidade das famílias da classe trabalhadora em Paris e em outras cidades industriais. Nele ele diz:

Supondo que uma família cujo pai, mãe e filho de 10 a 12 anos receba um salário ordinário, esta família pode receber em um ano, se a doença de um de seus membros ou a falta de trabalho não diminuir seus ganhos: o pai: 450 francos; a mãe: 300 francos; o filho: 165 francos. Isso é um total de 915 francos.

Vejamos agora quais são as despesas [anuais]. Se eles só ocupam um quarto, uma espécie de sótão, uma adega, um pequeno quarto, seu aluguel […] geralmente custa entre 40 e 80 francos na cidade. Vamos pegar a média: 60 francos. Alimentos: 738 francos. Assim, alimentação e moradia: 798 francos. Isso deixa 117 francos para móveis, roupa de cama, roupas, lavanderia, fogo, luz, ferramentas do ofício, etc.

Louis-René VILLERMÉ, Tableau de l’état physique et moral des ouvriers employés dans les manufactures de coton, de laine et de soie [Quadro do estado físico e moral dos trabalhadores empregados nas fábricas de algodão, lã e seda], Paris: Jules Renouard, 1840, volume I, pp. 98-100.

Está claro neste texto que mesmo se toda a família (pai, mãe e filho) trabalhasse, mesmo neste caso a família da classe trabalhadora não poderia cobrir suas necessidades básicas e levar uma vida digna.

Dados importantes sobre as condições de trabalho nas fábricas também podem ser inferidos a partir do estudo acima:

  • Além da evidente desigualdade de gênero nos salários (diferença de 33% entre homens e mulheres), também é notável a normalidade com que se fala do trabalho infantil, que é ainda menos bem remunerado (aproximadamente um terço do de um homem adulto), como normal.
  • O salário anual nos permite contar o número de dias úteis por ano: 300 dias, ou seja, seis dias por semana (descanso dominical), sem outros feriados no ano, exceto para certos feriados regulamentados (seculares e religiosos). Outros textos indicam que alguns trabalhadores tiveram que ir à fábrica mesmo nas manhãs de domingo para limpar as oficinas e fazer a manutenção das máquinas.
  • Os dias de trabalho normalmente ultrapassam 12 horas, às vezes 15.
  • O intervalo para almoço ao meio-dia era curto (geralmente meia hora); o almoço era frequentemente feito na frente da máquina ou fora do pátio da fábrica.
  • As crianças estavam sujeitas ao mesmo horário de trabalho pelo menos até 1841, quando o Rei Louis Philippe aprovou uma lei em 22 de março que, entre outras disposições, proibia o emprego de crianças menores de 8 anos; proibia o trabalho noturno (das 21h às 5h) para crianças menores de 13 anos (com exceções); regulamentava o dia máximo de trabalho para 8 horas para crianças de 8 a 12 anos e 12 horas para crianças de 12 a 16 anos; e proibia o emprego de crianças menores de 16 anos aos domingos e feriados públicos. Entretanto, esta lei só se aplicava a manufatura, fábricas e oficinas com mais de 20 empregados, e não foi aplicada na prática.

A realidade dos trabalhadores no Catar durante os últimos anos

Mais de 175 anos se passaram desde então, e é chocante como a situação no tempo de Ozanam é semelhante à realidade em muitas partes do mundo de hoje; em particular, vimos em detalhes esta última década no Catar, onde a Copa do Mundo da FIFA começou no dia 20 de novembro.

Em 2010, o Catar foi escolhido para sediar a Copa do Mundo de 2022 em uma votação rodeada de controvérsia e suspeitas de suborno e corrupção. Era um país sem tradição futebolística significativa, conhecido por sua violação dos direitos humanos mais básicos (liberdade de imprensa, liberdade de associação, direitos das mulheres e LGBTI, etc.). Para adaptar sua infra-estrutura ao evento, o Catar investiu centenas de bilhões de dólares e centenas de milhares de trabalhadores (a grande maioria deles migrantes) trabalharam nos preparativos. A Anistia Internacional publicou um documento devastador no final de outubro sobre a falta de respeito aos direitos dos trabalhadores. Diante da pressão internacional, o Catar realizou uma reforma trabalhista em 2017 que garantiu alguns direitos dos trabalhadores, mas que se mostrou totalmente insuficiente e, em muitos casos, não respeitada:

Por muitos anos, o governo do Catar – como a FIFA – respondeu à crescente pressão internacional sobre estes abusos com negação e inação. Então, em 2017, finalmente embarcou numa trajetória de reforma de seu sistema de trabalho. Sob um acordo de três anos com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Catar se comprometeu a desmantelar o kafala tóxico [sistema de exploração semi-escravo de patrocínio], combater abusos salariais, melhorar as medidas de saúde e segurança, prevenir e processar o trabalho forçado, e promover a voz dos trabalhadores. Esta foi uma mudança positiva na abordagem do Catar e nos anos seguintes houve importantes reformas legais. […] Apesar dos desenvolvimentos positivos no sistema trabalhista do Catar, que melhorou as condições de vida e de trabalho de centenas de milhares de trabalhadores migrantes do Catar e tem o potencial de transformar as vidas de muitos mais, ainda há muito a ser feito para garantir sua efetiva implementação e aplicação. Em resumo, as violações dos direitos humanos persistem hoje em uma escala significativa (Anistia Internacional).

A Anistia Internacional compilou recentemente um relato das violações significativas dos direitos humanos que permanecem hoje em dia no país que sedia a Copa do Mundo deste ano, disponível aqui.

Apesar do obscurantismo no acesso à informação, estima-se que mais de 6.500 trabalhadores morreram ao construir os locais esportivos da Copa do Mundo, devido às más condições com que centenas de milhares de trabalhadores estrangeiros (de países como Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka) tiveram que se defrontar. “Os resultados, compilados de fontes governamentais, significam que uma média de 12 trabalhadores migrantes destas cinco nações do Sul da Ásia morreram todas as semanas desde a noite de dezembro de 2010, quando as ruas de Doha (capital do Catar) estavam repletas de multidões jubilosas celebrando a vitória do Qatar”, revelou The Guardian em um estudo publicado em 2021. Evidentemente, o governo do Catar negou estes números; seu ministro do trabalho chegou ao ponto de dizer que “houve muitas reportagens conflitantes na mídia, algumas reclamando 6.500 baixas durante os preparativos para sediar o evento, enquanto outras falam de até 15.000, agindo como se estivessem em uma corrida contra o tempo. Gostaria de enfatizar a imprecisão destes números e também imploro a todos os políticos que consultem as organizações oficiais especializadas”. A FIFA também descreveu os números como grosseiramente exagerados.

Um trabalhador queniano relatou que “os supervisores nos bateram na frente de outros trabalhadores para nos pressionar e para nos fazer trabalhar mais rápido. Este abuso físico nunca foi abordado. Poderia ser relatado, mas nada aconteceu porque foram nossos supervisores que o fizeram”. “Eu trabalhava 14 horas por dia, das seis da manhã às oito da noite, e não recebia nenhuma compensação por horas extras. Eu trabalhava sete dias por semana e cada vez que era chamado eu tinha que ir”, diz outro trabalhador migrante de Bangladesh (testemunhos coletados pela Equidem em uma pesquisa recentemente publicada).


Em resumo, neste quadro sombrio, razões econômicas prevaleceram e os direitos humanos das pessoas foram ignorados. É surpreendente e embaraçoso ouvir alguns líderes da FIFA tentarem justificar esta situação com frases tão infelizes como “Menos democracia às vezes é melhor para organizar uma Copa do Mundo” (palavras de Jerome Valcke, secretário geral da FIFA, na preparação para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil) ou “Há muitas coisas que não funcionam, eu sei. Mas essas lições morais, só de um lado, são simples hipocrisias” (Gianni Infantino, presidente da FIFA, em declarações em 19 de novembro de 2022), acrescentando depois que “é difícil para um trabalhador que vem ao Catar, porque as dificuldades aqui são semelhantes às vividas na Europa há anos, mas graças a isso eles podem voltar para casa porque ganham 10 vezes mais do que em seus países”, terminando sua intervenção com a surpreendente frase: “Quem se importa com os trabalhadores? FIFA. Futebol. A Copa do Mundo. E o Catar também.

Há vários valores implícitos no esporte: colaboração, esforço, respeito pelos outros e por aqueles que são diferentes, para dar apenas alguns exemplos, que devem ter precedência sobre qualquer interesse comercial. É completamente contrário ao espírito do esporte subjugar-se a uma determinada situação e ser incapaz de denunciar abusos e violações dos direitos humanos, como vimos – e continuamos a ver – no atual anfitrião da Copa do Mundo.

Isto não é novidade: no início deste artigo vimos o exemplo de Ozanam e o que ele experimentou em seu tempo; antes dele, também foi experimentado por São Vicente de Paulo no século XVII. O que é surpreendente é que hoje somos bastante passivos sobre esta evidência e que grande parte do mundo a ignora, a banaliza ou a branqueia, em um evento seguido por bilhões de pessoas ao redor do mundo, onde a economia prevaleceu sobre os direitos humanos.

O escritor espanhol do século XVII, Francisco de Quevedo (1580-1645), disse em um poema satírico: “Um poderoso cavalheiro é dom dinheiro“. Infelizmente, isso ainda é verdade no século XXI.

Eu ao ouro me humilho,
ele é meu amante e meu amado,
e, de tão enamorado,
de contínuo anda amarelado;
e em fortunas ou trocados,
faz tudo quanto quero,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.

Nós vicentinos continuamos a nos colocar a questão quintessencial: “O que fazer?”, também diante desta injustiça flagrante.

Tags:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VinFlix

Doar para .famvin

Ajude-nos a continuar a trazer-lhe notícias e recursos na web.

Pin It on Pinterest

Share This