últimas notícias sobre o COVID-19

Quatro facetas da Venerável Irmă Justa Domínguez, uma Filha da Caridade

por | Maio 17, 2018 | Filhas de Caridade, Notícias | 0 Comentários

No dia 14 de abril o Papa Francisco assinou oito decretos que reconhecem as virtudes heróicas de oito servos de Deus e Veneráveis incluindo a Irmã Justa Dominguez Vidaurreta, Filha da Caridade, nascida em Azpeitia, em 02 de novembro de 1875, e falecida em Madrid em 18 de Dezembro de 1958. Podemos destacar facilmente quatro facetas que, segundo o Papa Francisco, todas as pessoas consagradas precisam hoje: alegria, discernimento, contemplação e anúncio evangélico na saída missionária.

  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Print or Email

1. Instrutora alegre:

Desde jovem mostrou atração especial pela formação das jovens na Escola Dominical de sua paróquia. A alegria guiou seu discernimento vocacional entrando aos 20 anos no Seminário de Madrid como Filha da Caridade. Sua primeira missão, durante 36 anos, foi a formação das jovens irmãs do seminário; primeiro como irmã colaboradora ou “irmã de ofício” por 26 anos e depois como diretora do seminário por mais 10 anos. A alegria irradiada nas aulas de cultura geral, Evangelhos, História Sagrada e biografia dos Fundadores fazia com que as meninas se sentissem muito à vontade com ela. E expressa sua alegria em uma carta a um amigo: “Não podemos aspirar a maior felicidade do que dedicar-nos a Nosso Senhor na flor da nossa idade e preservar a preciosa virgindade, pobreza e obediência são os votos de religião”.

2. Mestra em discernimento:

Capaz de discernir o chamado de Deus nos quatro caminhos que se ofereciam: Matrimônio com um jovem casado bem localizado, religiosa concepcionista de clausura , religiosa Filha da Cruz ou Filha da Caridade, Servas dos pobres. Procuradora da vontade de Deus, ajuda a discernir a vocação de outras jovens: “Hoje eu pedi na Sagrada Comunhão saber claramente o quer fazer para cumprir a vontade de Deus nosso Senhor e ser santa… rogo-te para que encomendeis na delicada questão da vocação a Santíssima Virgem, em primeiro lugar, e depois ao seu amado esposo São José … Enfim , que se cumpra a vontade do meu amado esposo, onde eu esteja estarei feliz”. Como boa professora, sabia comunicar a luz do conhecimento com criatividade e audácia. Seus companheiros diziam: “Como o divino Mestre, ela não tem mais ideal do que levar almas a Deus”. Com esse zelo, Ir. Justa dedicava tempo à correspondência escrita para ajudar as jovens a discernir sua vocação.

3. Ir. Justa, animadora contemplativa:

Em 1932 assumiu a missão de Visitadora Provincial, contando com a força da oração. Em meio ao secularismo e à purificação religiosa estabelecidos pela Frente Popular, após as eleições de fevereiro de 1936, ela manteve a serenidade e a calma. Animadora excepcional, teve o cuidado de salvar as Irmãs do Seminário e a Casa Provincial. Ela procurou por abrigos para aqueles que foram expulsos de instituições públicas de saúde e bem-estar. Ela sofreu perseguição, prisão e um longo refúgio em segredo entre 1936-1937. Ela ofereceu sua vida para evitar a morte de outras irmãs, assumindo o martírio da rendição diária. O segredo de sua alegria e serenidade veio de sua oração contemplativa. Suas seminaristas dizem: “Quando em privado fomos ensinadas a orar ou a nos relacionar com o Senhor, ela era extraordinariamente doce, expressiva e afetuosa com Jesus Cristo a quem ela considerava o Esposo de sua alma”

4. Missionária e anunciadora do Evangelho a partir da missão de governo:

De 1932 a 1958 foi Visitadora Provincial. Com zelo pela glória de Deus e serviço aos pobres, ela desenvolveu criatividade para salvar as irmãs e colaboradores da perseguição (1936-1939). Encorajou a fé das irmãs mártires, tornou-se missionária de reconciliação após a guerra civil, organizou o Secretariado de Obras e relançou as Escolas, dispensários, lares e restaurantes, incorporando voluntários / as das  Associações vicentinos: Filhas e Filhos de Maria, Associação Internacional de Caridades, Ação Católica, Associações Eucarísticas, Luísa de Marillac, Associação de Boas Palavras e Cruzada de Missão Pro-Cuttack. Fiel à proposta da Congregação de Propaganda Fide e generais, enviou Irmãs para a Índia (1940) e Santo Domingo (1952) e encorajou cruzada missionária pró-Cuttack. Estimulou a fidelidade ao carisma e promoveu o ministério vocacional

autora: Irmă María Ángeles Infante Barrera FdC, Vicepostuladora
tradução: Ir. Irene Malate, FC
fonte: https://cmglobal.org/

Tags:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Doar para .famvin

Ajude-nos a continuar a trazer-lhe notícias e recursos na web.

Pin It on Pinterest

Share This