Carta do Advento 2022 do Pe. Tomaž Mavrič, CM

por | nov 18, 2022 | featured, Formação, Reflexões | 0 Comentários

OS CONSELHOS EVANGÉLICOS: UM CHAMADO UNIVERSAL À SANTIDADE

A todos os membros da Família Vicentina

Queridos irmãos e irmãs,

A graça e a paz de Jesus Cristo estejam sempre conosco!

Esta carta do Advento é um convite para rezar, meditar e interiorizar os conselhos evangélicos como forma de continuar nossa caminhada com São Vicente de Paulo, “místico da Caridade”. Jesus é o centro de nossa vida, de nossa ação, de nossas aspirações. Para nós cristãos, Ele é o foco, o modelo e aquele que devemos colocar em primeiro lugar em nossas vidas, quer nossa vocação seja a vida conjugal, o celibato ou alguma forma de vida consagrada. A pobreza, a castidade e a obediência são sinais incontestáveis e marcantes na vida de Jesus, pois Ele foi pobre, casto e obediente.

Habitualmente, quando falamos dos conselhos evangélicos de pobreza, castidade e obediência, os associamos à vida consagrada. As pessoas consagradas seguem um caminho específico, confirmado pelos votos que elas pronunciam. Entretanto, os conselhos evangélicos são parte da resposta ao chamado universal à santidade de cada cristão, mas sempre de acordo com sua vocação específica, dada pelo próprio Jesus.

Jesus continua sendo o protótipo de como viver os três conselhos evangélicos. Embora tivesse tudo, vivia pobremente. Ele era casto, o que lhe permitia uma grande liberdade em suas relações. Foi obediente, expressando com grande clareza que sua missão na terra se desenvolveria de acordo com os desígnios do Pai e abandonando-se totalmente à Sua vontade até o último segundo de sua vida terrena, até a cruz onde exclamou antes de retornar à casa de seu Pai: “Tudo está consumado” (Jo 19, 30).

O fundamento do conselho evangélico de pobreza é a vida do Filho de Deus:

“Jesus Cristo, que, tendo tudo, não tinha nada. Era dono e Senhor do mundo inteiro, era autor dos bens que nele existem. Quis, todavia, por amor a nós,  privar-se do seu uso. Embora fosse o Senhor do mundo todo, fez-se o mais pobre de todos os homens! Ele possuiu até mesmo menos que os mais pequenos animais!” [1].

Nosso chamado comum, como vicentinos, para servir os pobres nos impele a testemunhar no mundo nossa configuração a Cristo que começou com nosso batismo e se aprofunda até retornarmos à casa do Pai. Como vicentinos, nossa prioridade não é a acumulação de bens materiais e recursos financeiros para nossos próprios fins egoístas, pois temos sempre em mente e em nossos corações que os pobres são “nossos Senhores e Mestres”, que têm direito aos nossos recursos. Refletir sobre como podemos auxiliá-los nos ajuda a viver o conselho evangélico de pobreza através de um estilo de vida sóbrio e simples. A missão vicentina nos coloca no mundo dos pobres. A pobreza vicentina favorece uma comunidade de serviço e de solidariedade com nossos irmãos e irmãs.

Significa também modelar nossas vidas a partir do exemplo de Jesus pobre, que evangelizou as pessoas mais abandonadas. São Vicente, na longa tradição da Igreja, faz a distinção entre pobreza interior e exterior, ambas necessárias. Sem uma manifestação externa, a “pobreza espiritual” não é credível. Sem motivação espiritual, a “pobreza material” é muitas vezes maligna.

O conselho evangélico de castidade também diz respeito a todos os cristãos, obviamente aqueles que fazem o voto, mas também aos casados e solteiros. Como vicentinos, regularmente em contato com os pobres, devemos não só ajudá-los materialmente, mas também espiritualmente, aproximando-nos da pessoa de forma integral, compartilhando com ela o valor da castidade no contexto da evangelização. Os pobres compreenderão as relações cristãs através da maneira como vivemos em coerência com os valores do Evangelho, sendo luz e sal para a humanidade.

A castidade implica a continência interior e exterior, de acordo com o estado de vida, para que a afetividade e a sexualidade da pessoa possam ser vividas com profundo respeito pelos outros e por si mesmo. O celibato pressupõe a renúncia ao casamento e às expressões sexuais próprias do mesmo.

Para os vicentinos na vida consagrada, estes dois elementos do voto, castidade e celibato são manifestações externas da sua total doação. Eles devem ser percebidos como um compromisso com uma “responsabilidade particular: o serviço dos pobres” e não como uma recusa de responsabilidade familiar. As exigências de um seguimento radical de Jesus levam os vicentinos consagrados a se oferecerem inteiramente pela causa do Reino.

Para os vicentinos em geral, o conselho evangélico de castidade nos ajuda a crescer em uma relação íntima com Jesus. Como uma generosa doação de si mesmo aos outros, a castidade promove nossa missão de evangelização e caridade aos pobres, uma expressão de generosidade e criatividade. Assim como a pobreza, a castidade encoraja uma Comunidade de serviço que só pode ser eficaz através da amizade e das relações fraternas.

Somos chamados a desenvolver a liberdade e o apoio mútuo através de amizades saudáveis e prudência, levando ao zelo apostólico. Devemos reconhecer nossas próprias fraquezas, nossa necessidade de humildade e a necessidade do indispensável apoio de Jesus. São Vicente afirma: “A humildade é um meio muito excelente para se adquirir e conservar a castidade”[2]. Há momentos em que a fidelidade a Jesus implica sacrifício. São Vicente recomenda um sacrifício sério (mortificação) dos sentidos internos e externos e saber como evitar modos de expressão de afetividade e sexualidade que não estejam de acordo com o celibato. Como nossa humanidade tem sua força e fraquezas, precisamos falar sinceramente sobre as dificuldades com Jesus e com as pessoas que podem nos ajudar, tais como nosso confessor e diretor espiritual.

O terceiro conselho evangélico é a obediência. É dirigido às pessoas que estão abertas à mensagem de Jesus. Apesar das dúvidas e incertezas, elas se abandonam a Ele e confiam Nele, convencidas de que, no final, o caminho que Ele nos propõe a seguir é o melhor. Como nos lembra São Vicente: “[tem] a bênção de Deus nas ações feitas por obediência”[3].

A obediência implica valores e atitudes evangélicas como humildade, simplicidade, mansidão, diálogo, o dom da escuta na vida conjugal, no celibato ou na vida consagrada. Mesmo quando São Vicente se dirige as pessoas consagradas, ele frequentemente evoca o exemplo de obediência e a deferência dos leigos:

“Eu conheci um conselheiro da corte… Apesar de conselheiro e bastante idoso, nada fazia sem pedir conselhos. Se não houvesse ninguém, chamava seu criado e lhe dizia: “vem cá, Pedrinho, estou com este problema; que pensas que devo fazer?” Seu empregado respondia-lhe: “Senhor, parece-me que faríeis bem agindo desta maneira.” Podes ir, Pedro, tens razão, seguirei teu conselho.  E me disse que experimentava que Deus abençoava tanto a sua maneira de proceder: dava certo o que assim fazia”[4].

Quando duas ou mais pessoas não podem concordar uma com a outra, especialmente em assuntos importantes, é o conselho evangélico de obediência que as leva a um estado de paz interior e reconciliação que não poderiam ter imaginado. Como cristãos e vicentinos nos esforçamos não para ter a última palavra, nem para ter razão, mas para estar no papel do servo, aquele que serve e não aquele que é servido.

Que a meditação e interiorização dos conselhos evangélicos ajude cada um de nós a responder ao chamado universal à santidade e assim receber grandes bênçãos.

“Como são bem-aventurados aqueles que se entregam a Deus desta forma, para fazer o que Jesus Cristo fez, e para praticar depois dele as virtudes que Ele praticou: pobreza, obediência, humildade, paciência, zelo e as outras virtudes! Pois assim eles são os verdadeiros discípulos de tal Mestre; vivem puramente pelo seu espírito e difundem, com o odor da sua vida, o mérito dos seus feitos, para a santificação das almas, pelas quais Ele morreu e ressuscitou”[5].

Minha oração do Advento para todos os membros da Família Vicentina: “Continuai a temê-lo [Nosso Senhor] e a amá-lo muito. Oferecei-lhe vossas incomodidades e vossos pequenos serviços, e fazei tudo para agradar-lhe, e, assim, ireis crescendo na graça e na virtude”[6].

Vosso irmão em São Vicente,

Tomaž Mavrič, CM

[1] SV XI, p. 230; conferência 130, de 6 de agosto de 1655, sobre a pobreza.

[2] SV, XI, p. 173, conferência 111, sobre a castidade, 13 de novembro de 1654.

[3] SV VI, p.631; carta 2431, a Francisco Villain, Padre da Missão, em Troyes, 25 de outubro de 1657.

[4] A Companhia das Filhas da Caridade nas origens; Doc. 443, p. 534 – Conselho da Companhia de 20 de junho de 1647.

[5] Coste VIII, 543; lettre 3314 à Joseph Beaulac [1656].

[6] SV IV, p. 463; carta 1512, às Irmãs de Valpuiseaux, 23 de junho de 1652.

 

Faça o download desta carta em vários idiomas:

all-links chart

  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Print or Email

folder PDF (Box)

online list (Scribd)

中文 (PDF)

中文 (Scribd)

Deutsch (PDF)

Deutsch (Scribd)

ENGLISH (PDF)

ENGLISH (Scribd)

ESPAÑOL (PDF)

ESPAÑOL (Scribd)

FRANÇAIS (PDF)

FRANÇAIS (Scribd)

MAGYAR (PDF)

MAGYAR (Scribd)

ITALIANO (PDF)

ITALIANO (Scribd)

NEDERLANDS (PDF)

NEDERLANDS (Scribd)

POLSKI (PDF)

POLSKI (Scribd)

PORTUGUÊS (PDF)

PORTUGUÊS (Scribd)

SLOVENČINA (PDF)

SLOVENČINA (Scribd)

УКРАЇНСЬКИЙ(PDF)

УКРАЇНСЬКИЙ (Scribd)

TIẾNG VIỆT (PDF)

TIẾNG VIỆT (Scribd)

Tags:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

VinFlix

Doar para .famvin

Ajude-nos a continuar a trazer-lhe notícias e recursos na web.

Pin It on Pinterest

Share This