Em vista da recente situação de violência no Chile, a Congregação da Missão presente no país fez uma declaração que partilhamos a seguir:

Os membros da Congregação da Missão, filhos de São Vicente de Paulo, chamados a trabalhar na Evangelização e no Serviço aos pobres, aos mais abandonados da sociedade, não podemos permanecer impassíveis ou silenciosos diante da situação violenta que nosso país vive neste momento, como conseqüência de longos anos de negligência, injustiça e desigualdade.

Rejeitamos a violência desencadeada no meio de manifestações legítimas de descontentamento e reivindicação do direito a condições de maior justiça e equidade. A violência irracional, que destrói tudo e põe em perigo a vida e a integridade das pessoas, é claramente inaceitável. Rejeitamos também a resposta simplista de que o que está acontecendo é apenas obra de pessoas exaltadas e delinqüentes, ignorando as causas profundas dessa explosão social.

Porque a violência não é apenas as manifestações e a destruição destes dias. A violência é também tudo o que os pobres e mesmo os estratos médios da sociedade sofrem: a violência é o aumento das tarifas do Metro, pensões miseráveis, aumentos de combustível, energia elétrica. A violência é a desigualdade no acesso à educação, à saúde e a outros bens essenciais. A violência é a concentração da riqueza nas mãos de poucos e seus privilégios. A violência é a falta de proteção contra o crime nos setores mais populares. A violência é também a repressão violenta de manifestações pacíficas e o tratamento degradante ou desdenhoso dos mais humildes ou daqueles que têm uma opinião diferente. A violência também está legislando para manter a desigualdade e para que os trabalhadores paguem proporcionalmente mais impostos do que as grandes corporações e os mais ricos da sociedade.

Estamos, pois, solidários com todos aqueles que estão fartos de receber más notícias, com aqueles que continuam a receber salários miseráveis, enquanto os preços sobem uma e outra vez, com aqueles que se sentem abusados e enganados. Somos solidários com aqueles que defendem os seus direitos. Somos solidários e solidários com o clamor dos mais pobres e dos setores médios cada vez mais empobrecidos.

Juntamente com os que ficaram para trás, pedimos uma resposta urgente, respeitosa e digna às suas legítimas exigências. Só o diálogo, a escuta respeitosa e a busca sincera de soluções nos levarão a superar os problemas que estamos vivendo hoje e não medidas de força, que só conseguem exasperar mais os espíritos e podem levar à tragédia.

São Vicente de Paulo nos ensinou que a caridade não se trata apenas de dar ajuda imediata aos necessitados, mas também de ensinar as pessoas a ganhar a vida e a ter consciência de sua dignidade. São Vicente nos ensinou que a caridade é também como às vezes é necessário confrontar o sistema estabelecido e defender e trabalhar para a superação das estruturas injustas da sociedade.

Ao Senhor da história, libertador dos pobres, príncipe da paz e Deus de toda justiça, invocamos para acalmar os espíritos e suavizar os corações daqueles que têm o poder e os meios para garantir que as injustiças e desigualdades possam ser revertidas e, ao contrário, os mais pobres e negligenciados possam finalmente receber BOAS NOTÍCIAS.

Congregação da Missão
Província do Chile

Santiago, 20 de Outubro de 2019.

Pin It on Pinterest

Share This