últimas notícias sobre o COVID-19

“Este clima hesitante não deve paralisar nossa generosidade”

por | mar 31, 2021 | Notícias | 0 Comentários

Eric de Moulins-Beaufort, Arcebispo de Reims e Presidente da Conferência Episcopal da França, convida os cristãos a serem criativos em levar a caridade de Cristo a quem mais precisa, apesar das limitações da crise de saúde.

Qual é a sua opinião sobre este período de crise de saúde que se prolonga?

Sem dúvida, esperávamos ingenuamente que as coisas voltassem ao normal em um período mais curto. No entanto, não é o caso. E, concentrados nos cuidados a serem tomados, nas máscaras, nas proibições de ajuntamentos, temos dificuldade em tratar de outros assuntos que não os da criseMas este clima cansado e hesitante não deve paralisar nossa imaginação, nossa criatividade, nossa ação ou nossa generosidade. Precisamos encontrar outras formas de encontro, não só entre amigos, mas também com quem mais precisa.

A crise de saúde enfraqueceu muitas pessoas. Na sua opinião, há algum ponto que merece  atenção redobrada?

Estou pensando em jovens que abandonaram a escola. Em primeiro lugar, as crianças na escola: houve um ímpeto significativo no sentido de recuperar o atraso na altura do desconfinamento, mas é sem dúvida importante ver como eles desligam a longo prazo. E também alunos do ensino médio, alunos, aqueles que não encontram estágio, mas necessário para a carreira, temos as estruturas necessárias para dar suporte a todos esses jovens? Penso também em todas aquelas pessoas que trabalharam ilegalmente, ou em ofícios não bem identificados, mas que mais ou menos conseguiram sustentar as suas famílias e que já não o podem fazer.

Que vínculo manter com essas pessoas, como apoiá-las? E esses idosos que não têm família e que antes da crise eram visitados por capelães ou voluntários. Eles agora podem receber visitas de pessoas que não são estritamente parentes? Cabe a nós mostrar nossa imaginação e superar essa morosidade ambiente para pensar em maneiras de levar a caridade de Cristo.

Os cristãos têm um papel específico a desempenhar neste contexto?

A fé cristã nos garante que devemos estar vivos e não apenas sobreviver. Podemos contar com São João, que distingue o Bios e a Zoe, nomeadamente a vida biológica e a vida que cada um de nós carrega, e que nos faz amar, partilhar, admirar, encontrar… Mas Jesus não veio para nos fazer viver eternamente com a vida biológica, mas para nos fazer viver daqui para baixo esta vida pela qual amamos, nos maravilhamos e nos relacionamos. Claro, isso passa pela vida biológica, mas não para por aí. Isso deve nos estimular a encontrar os gestos certos. Como cristãos, não agimos apenas em nome das nossas virtudes, mas em nome de Cristo que nos envia. Isso nos lembra que cabe a nós cuidar dos outros.

Conte-nos sobre o que o senhor vem falando a respeito da hospitalidade.

As pessoas ficaram confinadas em suas casas e descobriram seus vizinhos, que as condições de vida modernas na maioria das vezes não permitem conhecer. Você pode viver lado a lado e nunca se ver.

Vale a pena descobrir que, perto de casa, há coisas bonitas para ver, pessoas para encontrar, misérias para aliviar … Espero que consigamos guardar um pouco do que teremos descoberto durante o confinamento. Ao mesmo tempo, é bom manter o coração aberto para o mundo inteiroSer hospitaleiro com os outros é estar aberto até mesmo para aqueles que não têm simpatia por mim. Isso requer não estar trancado em si mesmo, mas estar suficientemente habitado, em paz consigo mesmo para poder acolher o outro.

Que leitura espiritual você faz desta epidemia?

No Antigo Testamento, as epidemias são sempre um aviso de que é hora de uma mudança. Não creio que Deus nos tenha enviado o coronavírus, mas parece-me que podemos ler ali um convite para mudar algo em nossa relação com o mundoNo entanto, muito nos foi dito sobre o “mundo depois”, e observo especialmente hoje que estamos tentando desesperadamente reiniciar o mundo anterior. Sem dúvida, somos chamados a refletir melhor sobre o sentido do nosso consumo ou das nossas viagens ao fim do mundo. Esta crise também nos chama a mais caridade, uma caridade “inventiva”.

Fonte: Entrevista publicada na revista Ozanam, da SSVOP França.

Tags:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

VinFlix

Doar para .famvin

Ajude-nos a continuar a trazer-lhe notícias e recursos na web.

Pin It on Pinterest

Share This