Todos nós sabemos que só o fato de ser vicentinos nos faz missionários. E é sobre isso que eu queria falar com vocês.

Temos em contrapartida ao nosso trabalho vicentino uma das barreiras que poderíamos usar como desculpa, que é a tal da “distância”.

Se somos velhos, “é muito distante para minha idade”; se somos novos, “é muito distante e eu não tenho dinheiro”. Esses foram pequenos dois exemplos de como a distância poderia nos atrapalhar; eu disse: “poderia”. Porque apesar da distância geográfica ser às vezes grande, principalmente aqui na Região 7, não é isso que estamos vendo da juventude; o que estamos vendo é esse enfrentamento contra a “distância” mesmo com trabalhos, faculdades e outras diversas responsabilidades… E eu gostaria de enfatizar essas responsabilidades porque, muitas vezes, até nos dias de hoje, o jovem é taxado como “sem responsabilidade”; mas todos nós coordenadores sabemos que, se não tivéssemos responsabilidades, nós não seríamos coordenadores. Concordam ?

É importante que entendam que todo mundo um dia foi jovem, e que a juventude é um momento de transição. Transição essa quando temos que nos enquadrar na sociedade como um todo, seja em âmbito social, trabalho ou estudo. Não é fácil para o jovem que ainda não sabe o que vai ser do seu futuro abdicar de suas outras responsabilidades e conciliar tão bem a sua vida vicentina.

Mas apesar dessa realidade e de todas as desculpas que poderíamos dar, a SSVP continua sendo a nossa inspiração; onde nós conseguimos enfrentar essa tal barreira que se chama distância!

 

Confrade Antonio Mikael Ferreira da Silva,
coordenador de Jovens do Conselho Metropolitano de Fortaleza

Pin It on Pinterest

Share This