Na Liturgia Eucarística da santa missa, ao se falar das virtudes de Cristo, o missal enfatiza que Jesus “anunciou aos Pobres a salvação, aos oprimidos a liberdade e aos tristes a alegria”. Esta é uma das passagens mais bonitas da celebração, ocasião em que refletimos sobre a missão de Nosso Senhor aqui na Terra e, ao mesmo tempo, nosso papel como católicos.

Se somos imitadores de Cristo (“cristãos”), também precisamos fazer o mesmo: levar a salvação, a liberdade e a alegria, com entusiasmo, a quem precisa. E se somos vicentinos, aí esse desafio torna-se mais urgente e revigorante, pois lidar com os Pobres, procurando entender suas necessidades, é o papel precípuo dos confrades e consócias, sem julgá-los em nenhuma hipótese.

Jesus anuncia o reino de Deus aos Pobres incondicionalmente e os declara bem-aventurados, porque Ele já lhes pertence. Portanto, quem anuncia o Evangelho aos Pobres faz parte dos Pobres e ele próprio se torna pobre na comunhão deles. Somente na comunhão dos Pobres abre-se o Reino de Deus para todos.

O Catecismo da Igreja Católica, em seu item 489, destaca que Deus escolheu os considerados “fracos” ou “incapazes” para mostrar a sua fidelidade: Ana (mãe de Samuel), Débora, Rute, Judite, Ester e muitas outras mulheres. Maria “é a primeira entre os humildes e Pobres do Senhor”, que confiadamente esperaram e receberam a salvação de Deus. Com ela, enfim, passada a longa espera da promessa do Antigo Testamento, cumprem-se os tempos.

Anunciar aos Pobres a salvação, Jesus não estava apenas se referindo aos “materialmente” classificados como Pobres, mas a todos os fiéis que fossem “Pobres em espírito”: “Bem-aventurados os Pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus” (Mateus 5, 3). Jesus quis dizer que os humildes e os não orgulhosos seriam os alvos da bem-aventurança. Deus quer pessoas com “espírito rico” de amor e “espírito pobre” de orgulho.

Os “Pobres de espírito” são os que não têm orgulho, e os ricos espiritualmente são os que acumulam tesouros nos Céus, onde a traça não os rói e os ladrões não os alcançam. Os “Pobres de Espírito” sãos os humildes, que nunca mostram o que sabem, e nunca dizem o que têm; a modéstia é o seu distintivo! É por isso que a humildade se tornou “bilhete de entrada” no Reino dos Céus. Sem a humildade, nenhuma virtude se manteria. A humildade é a propulsora de todas as grandes ações e atos de generosidade. Bem-aventurados os humildes, pois deles é o Reino dos Céus!

Toda a vida de Cristo foi um contínuo ensinamento: seu silêncio, seus milagres, seus gestos de compaixão, sua oração, seu amor incondicional pelo homem, sua predileção pelos pequenos e pelos Pobres, sua cruz redentora e sua ressurreição. Tudo – diz o Catecismo – é plena atuação da sua palavra e cumprimento integral da Revelação.

Portanto, queridos vicentinos, anunciar a salvação aos Pobres é nossa missão. Cada Conferência Vicentina poderia elaborar uma espécie de “plano de evangelização” dos assistidos, no qual as ações de Caridade fossem focadas não só na entrega de bens materiais e gêneros alimentícios, mas na difusão da Palavra de Deus e na busca de nossa santificação pessoal. Só assim seremos igualmente Pobres com os nossos Pobres socorridos. Meditemos.

Renato Lima de Oliveira
16º Presidente Geral da Sociedade de São Vicente de Paulo

Pin It on Pinterest

Share This