Em abril, mês em que celebramos a festa de fundação da Sociedade de São Vicente de Paulo e o aniversário de nascimento do bem-aventurado Antônio Frederico Ozanam, relembramos a célere frase de nosso principal fundador: “Vamos aos Pobres!”. Ozanam convidou a todos os participantes do grupo a unirem-se contra a miséria que assolava a França naqueles tempos e a darem testemunho da fé cristã. Hoje, somos quase 800 mil seguidores de Ozanam em quase 150 países (dados de dezembro de 2012)!

Para vivenciar essa máxima de Ozanam, o Conselho Nacional do Brasil escolheu como tema a frase “Vamos aos Pobres!” para conduzir os trabalhos vicentinos no país ao longo de 2012. Esse viés deverá orientar todas as unidades vicentinas na busca do fortalecimento da espiritualidade no serviço e na evangelização dos Pobres, conforme nos inspira a Regra da SSVP. Ou seja, a temática deve contagiar não só os confrades e as consócias, mas, sobretudo, as famílias socorridas.

Ir aos Pobres, por meio da visita domiciliar semanal, é a característica primordial da SSVP. É o elemento que nos distingue de outras entidades sociais e organismos não governamentais. Mas, como devemos ir aos Pobres?

“Vamos aos Pobres”, com alegria e entusiasmo. O Vicentino deve ser alegre, contente, feliz com a graça que Deus lhe deu. Somos muito abençoados nesse mundo cheio de injustiças. Devemos estar sempre alegres, especialmente na hora da visita, quando somos mais observados. Nossa mensagem de entusiasmo deve influenciar os assistidos a superarem suas limitações e dificuldades. A Bíblia nos ensina: “Os justos exultam e se rejubilam em sua presença, e transbordam de alegria” (Salmo 67, 4).

“Vamos aos Pobres”, com foco e determinação. Nossas ações devem estar focadas na melhoria contínua das condições de vida (aspecto material) e do aprimoramento espiritual das famílias assistidas. Não podemos perder esse foco sob pena de cairmos no assistencialismo. Com determinação (isto é, desejo firme de que as coisas vão melhorar), podemos contribuir bastante com os Pobres. Assim ensina a Bíblia: “Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação” (I Tessalonicenses 4, 3).

“Vamos aos Pobres”, com eficácia e informação. O vicentino do Século XXI possui imensos desafios no processo de promoção integral dos assistidos, e suas ações devem ser eficientes para produzir resultados. O vicentino deve estar bem informado, conhecer as estatísticas socioeconômicas e a legislação trabalhista, entre outros documentos, para poder orientar melhor as famílias socorridas. E sempre rezar muito por eles, pois prescreve a Sagrada Escritura: “A oração do justo tem grande eficácia” (São Tiago 5, 16).

“Vamos aos Pobres”, com amizade e Caridade. De nada vai adiantar levar uma sacola de alimentos ou um kit de material escolar a uma família se não temos Caridade. Nem todo gesto de ajuda é considerado “Caridade”. Devemos ter compaixão em nossos atos, e acima de tudo sermos amigos dos assistidos, mostrando que somos iguais a eles e que Deus não faz acepção de pessoas. São Paulo nos inspira: “É maravilhoso receber demonstrações de boa amizade” (Gálatas 4, 18).

“Vamos aos Pobres”, com espírito missionário e de serviço. Aliás, nestas duas palavras reside toda a força da atuação vicentina. É o ardor missionário que nos move a sairmos do conforto de nossas casas para visitar barracos paupérrimos, sujos e até mal cheirosos. Sem essa qualidade, não faríamos nada. E quanto ao aspecto do serviço, é desnecessário mencionar que esse trabalho é feito para a glória do Senhor e nunca para nossa autopromoção. Assevera a Escritura: “Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério” (II Timóteo 4, 5).

Portanto, confrades e consócias, os desafios são muitos, mas com a Providência Divina ao nosso lado, muito poderemos empreender. E “vamos aos Pobres!”.

Renato Lima de Oliveira
16º Presidente Geral da Sociedade de São Vicente de Paulo

Pin It on Pinterest

Share This