A Congregação da Missão faz parte do Comitê de Organizações Não-Governamentais (ONGs) que, na ONU, defendem a luta contra o tráfico de pessoas. Nosso representante na ONU também faz parte da comissão central da Vida Consagrada contra o tráfico de pessoas nas Américas (9 comissões regionais ou nacionais). Por esta razão, estamos unidos com a Talitha Kum, a rede internacional de Vida Consagrada contra o tráfico.

O tráfico de pessoas é um crime que explora mulheres, crianças e homens para vários fins, incluindo trabalho forçado, tráfico de órgãos e sexo. A Organização Internacional do Trabalho estima que quase 21 milhões de pessoas no mundo são vítimas de trabalho forçado. Este número também inclui vítimas de tráfico para trabalho e exploração sexual. Embora não se saiba quantas dessas pessoas foram traficadas, o número indica que, atualmente, existem milhões de vítimas no mundo. Todos os países são afetados pelo tráfico, seja como país de origem, trânsito ou destino das vítimas. A escravidão, em suas formas modernas e antigas, não é apenas uma vergonha, mas é “a execrável soma de todos os vilões”, como definida pelo abolicionista John Wesley, e não tem lugar em nosso mundo.

O trabalho de muitas organizações sociais, ONGs, comunidades religiosas, etc. centra-se na atenção das populações mais vulneráveis ​​a este flagelo: vítimas de conflitos armados ou que fazem parte de grandes fluxos migratórios ou de refugiados. Também vítimas que foram traficadas para explorá-las sexualmente, remover órgãos, forçá-las a mendigar e cometer crimes, bem como outras atividades cada vez mais freqüentes (por exemplo, remoção de pele ou pornografia on-line).

Em setembro de 2015, os países adotaram a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e concordaram em cumprir as metas e metas relacionadas à luta contra o tráfico. Esses objetivos exigem o fim do tráfico e da violência contra as crianças, medidas a serem tomadas contra o tráfico em geral e o fim de todas as formas de violência contra mulheres e meninas e sua exploração.

“A resposta ao tráfico de crianças e jovens vítimas de tráfico”

Este ano, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) escolheu “A resposta ao tráfico de crianças e jovens” como o centro do Dia Mundial contra o Tráfico. A campanha deste ano destaca o fato de que quase um terço das vítimas do tráfico são crianças. Este tema procura chamar a atenção para os problemas enfrentados pelas crianças traficadas e possíveis iniciativas de ação relacionadas à proteção e garantia da justiça para as crianças vítimas.

Convidamos você a participar dos dias de oração, reflexão e concentração, ou criar um em sua comunidade para que este dia seja mais um passo em nosso compromisso com a queixa contra o tráfico e nossa decisão de apoiar vítimas, de prevenção, acompanhamento, resgate, cura e realocação social e trabalhista …

Para que um dia internacional contra o tráfico de seres humanos?

Não é uma celebração … é um dia para resistir, sensibilizar, conscientizar, chamar atenção, apontar que há um problema não resolvido, uma questão importante e pendente nas sociedades para que, através dessa conscientização, governos e estados possam agir e tomar medidas ou para os cidadãos exigirem isso de seus representantes.

Nova York, 30 de julho de 2018
Escritório da Congregação da Missão na ONU

 

Pin It on Pinterest

Share This